Editor estadual: Carlos Costa (carlos_bezerra47@hotmail.com)

MOVIMENTOS SOCIAIS REIVINDICATÓRIOS OU DE BADERNEIROS?

Transformam-se em baderna simplesmente, todos os legítimos movimentos sociais que reivindicam terra, habitação, melhores escolas quando invadem terras produtivas, habitações do Estado, reitorias, escolas, hospitais e destroem tudo sem serem responsabilizados por isso.

Sendo patrimônio público ou privado todos estão sendo destruídos por pessoas que extrapolam o bom senso e decidem confundir o constitucional legítimo direito de reivindicar, protestar, espernear, gritar, berrar com a mais perfeita idiotice de destruir em nome de uma causa. Isso não aceito e jamais aceitarei porque perdem completamente a legitimidade!

Já escrevi que aceito e apoio de qualquer movimento social no  qual se   cumpra a ordem, diálogo, discussão, mas repudio a todos os que invadem e vandalizam tudo a sua volta porque deixam de ser  movimentos sociais reivindicatórios e  se transformam em uma turba de vândalos irresponsáveis em nome de uma causa, embora legítima. Está certo que, em certas ocasiões, durante o calor de uma discussão e a intransigência de negociadores públicos, excessos podem ocorrer, mas não a ponto de justificar ato de vandalismo como vem ocorrendo quase sempre, envolvendo embates entre estudantes e a polícia.

Espantado, vi pela TV que a Justiça mandou soltar 22 “estudantes”  da Universidade Federal de SP presos na Polícia Federal de Guarulhos e ordenou que respondessem ao processo em liberdade por danos ao patrimônio público depois que invadiram e depredaram a reitoria   sob o pretexto de exigir melhores condições de estudos – legítimo pleito, mas deixando para trás um grande rastro de destruições, depredações com vidros, computadores, móveis quebrados e tudo porque ”eram estudantes  exercendo um legítimo direito de reivindicar...É demais!

Não estou entrando no mérito de que se foi certa ou errada a decisão da Justiça, mas, sim saber se o processo terminará com a  condenação de alguém para o ressarcimento dos prejuízos que os “alunos vândalos” causaram ao patrimônio público! Tenho dúvidas quando à agilidade da Justiça para julgá-los. O processo prescreverá devido aos muitos entraves procrastinatórios que os “bons advogados” dos estudantes usarão para defendê-los.

Também não estou tecendo críticas aos advogados - sou casado com uma - que apenas exercem o direito e a obrigação de defesa de seus clientes que lhes contratam.

Será que não podem invadir e sair do local deixando tudo no mesmo lugar? Será que para serem ouvidos têm que destruir um patrimônio público? Será que o movimento que reivindica terra tem mesmo que invadir e depredar prédios públicos, usando dinheiro público para isso? Reivindicação é uma coisa bem diferente de baderna!

O que grande parte dos movimentos sociais no Brasil está fazendo é uma balbúrdia em nome de uma causa. Ah, isso não! Nunca apoiei e jamais apoiarei qualquer movimento que, em nome de um ideal, usa a baderna, vandalismo, destruição só para “dar um recado de que não passam de marginais travestidos!”.
FAÇA PARTE DO BEV

+
Escritor(a), envie sua página na internet para cadastro.bev@betimcultural.com.br você pode integrar o quadro de autores do BRASIL EM VERSOS.

+
Envie textos de sua autoria para participe.bev@betimcultural.com.br eles poderão ser selecionados e publicados nesse portal.